Gosto do jeito como você acelera meu coração, e de quando você o acalma também.

D.Mattos

Se estiver triste, vá dormir. Não invente de pegar seu telefone, nem chegue perto do computador. Se estiver triste em plena madrugada, pelo amor de Deus converse com os amigos, vá assistir TV ou até no limite do limite escute uma música (que não seja romântica), enfim. Se estiver triste, na pior das hipóteses fique esperando. Mas não invente de falar que sentiu falta daquele ser e resolveu procurá-lo, é só carência e carência passa. Já algumas palavras mal interpretadas ficam na cabeça e quem não sabe diferenciar pode se magoar.”

Ontem eu tava pensando em você, hoje também, mas amanhã, amanhã eu não sei.

Permalink
“Você tem medo de se apaixonar. Medo de sofrer o que não está acostumada. Medo de se conhecer e esquecer outra vez. Medo de sacrificar a amizade. Medo de perder a vontade de trabalhar, de aguardar que alguma coisa mude de repente, de alterar o trajeto para apressar encontros. Medo se o telefone toca, se o telefone não toca. Medo da curiosidade, de ouvir o nome dele em qualquer conversa. Medo de inventar desculpa para se ver livre do medo. Medo de se sentir observada em excesso, de descobrir que a nudez ainda é pouca perto de um olhar insistente. Não suportar ser olhada com esmero e devoção. Nem os anjos, nem Deus agüentam uma reza por mais de duas horas. Medo de ser engolida como se fosse líquido, de ser beijada como se fosse líquen, de ser tragada como se fosse leve. Você tem medo de se apaixonar por si mesma logo agora que tinha desistido de sua vida. Medo de enfrentar a infância, o seio que criou para aquecer as mãos quando criança, medo de ser a última a vir para a mesa, a última a voltar da rua, a última a chorar. Você tem medo de se apaixonar e não prever o que pode sumir, o que pode desaparecer. Medo de se roubar para dar a ele, de ser roubada e pedir de volta. Medo de que ele seja um canalha, medo de que seja um poeta, medo de que seja amoroso, medo de que seja um pilantra, incerta do que realmente quer, talvez todos em um único homem, todos um pouco por dia. Medo do imprevisível que foi planejado. Medo de que ele morda os lábios e prove o seu sangue. Você tem medo de oferecer o lado mais fraco do corpo. O corpo mais lado da fraqueza. Medo de que ele seja o homem certo na hora errada, a hora certa para o homem errado. Medo de se ultrapassar e se esperar por anos, até que você antes disso e você depois disso possam se coincidir novamente. Medo de largar o tédio, afinal você e o tédio enfim se entendiam. Medo de que ele inspire a violência da posse, a violência do egoísmo, que não queira repartir ele com mais ninguém, nem com seu passado. Medo de que não queira se repartir com mais ninguém, além dele. Medo de que ele seja melhor do que suas respostas, pior do que as suas dúvidas. Medo de que ele não seja vulgar para escorraçar mas deliciosamente rude para chamar, que ele se vire para não dormir, que ele se acorde ao escutar sua voz. Medo de ser sugada como se fosse pólen, soprada como se fosse brasa, recolhida como se fosse paz. Medo de ser destruída, aniquilada, devastada e não reclamar da beleza das ruínas. Medo de ser antecipada e ficar sem ter o que dizer. Medo de não ser interessante o suficiente para prender sua atenção. Medo da independência dele, de sua algazarra, de sua facilidade em fazer amigas. Medo de que ele não precise de você. Medo de ser uma brincadeira dele quando fala sério ou que banque o sério quando faz uma brincadeira. Medo do cheiro dos travesseiros. Medo do cheiro das roupas. Medo do cheiro nos cabelos. Medo de não respirar sem recuar. Medo de que o medo de entrar no medo seja maior do que o medo de sair do medo. Medo de não ser convincente na cama, persuasiva no silêncio, carente no fôlego. Medo de que a alegria seja apreensão, de que o contentamento seja ansiedade. Medo de não soltar as pernas das pernas dele. Medo de soltar as pernas das pernas dele. Medo de convidá-lo a entrar, medo de deixá-lo ir. Medo da vergonha que vem junto da sinceridade. Medo da perfeição que não interessa. Medo de machucar, ferir, agredir para não ser machucada, ferida, agredida. Medo de estragar a felicidade por não merecê-la. Medo de não mastigar a felicidade por respeito. Medo de passar pela felicidade sem reconhecê-la. Medo do cansaço de parecer inteligente quando não há o que opinar. Medo de interromper o que recém iniciou, de começar o que terminou. Medo de faltar as aulas e mentir como foram. Medo do aniversário sem ele por perto, dos bares e das baladas sem ele por perto, do convívio sem alguém para se mostrar. Medo de enlouquecer sozinha. Não há nada mais triste do que enlouquecer sozinha. Você tem medo de já estar apaixonada.”
— Fabrício Carpinejar.

A final do que você tem medo ?

“Você tem medo de se apaixonar. Medo de sofrer o que não está acostumada. Medo de se conhecer e esquecer outra vez. Medo de sacrificar a amizade. Medo de perder a vontade de trabalhar, de aguardar que alguma coisa mude de repente, de alterar o trajeto para apressar encontros. Medo se o telefone toca, se o telefone não toca. Medo da curiosidade, de ouvir o nome dele em qualquer conversa. Medo de inventar desculpa para se ver livre do medo. Medo de se sentir observada em excesso, de descobrir que a nudez ainda é pouca perto de um olhar insistente. Não suportar ser olhada com esmero e devoção. Nem os anjos, nem Deus agüentam uma reza por mais de duas horas. Medo de ser engolida como se fosse líquido, de ser beijada como se fosse líquen, de ser tragada como se fosse leve. Você tem medo de se apaixonar por si mesma logo agora que tinha desistido de sua vida. Medo de enfrentar a infância, o seio que criou para aquecer as mãos quando criança, medo de ser a última a vir para a mesa, a última a voltar da rua, a última a chorar. Você tem medo de se apaixonar e não prever o que pode sumir, o que pode desaparecer. Medo de se roubar para dar a ele, de ser roubada e pedir de volta. Medo de que ele seja um canalha, medo de que seja um poeta, medo de que seja amoroso, medo de que seja um pilantra, incerta do que realmente quer, talvez todos em um único homem, todos um pouco por dia. Medo do imprevisível que foi planejado. Medo de que ele morda os lábios e prove o seu sangue. Você tem medo de oferecer o lado mais fraco do corpo. O corpo mais lado da fraqueza. Medo de que ele seja o homem certo na hora errada, a hora certa para o homem errado. Medo de se ultrapassar e se esperar por anos, até que você antes disso e você depois disso possam se coincidir novamente. Medo de largar o tédio, afinal você e o tédio enfim se entendiam. Medo de que ele inspire a violência da posse, a violência do egoísmo, que não queira repartir ele com mais ninguém, nem com seu passado. Medo de que não queira se repartir com mais ninguém, além dele. Medo de que ele seja melhor do que suas respostas, pior do que as suas dúvidas. Medo de que ele não seja vulgar para escorraçar mas deliciosamente rude para chamar, que ele se vire para não dormir, que ele se acorde ao escutar sua voz. Medo de ser sugada como se fosse pólen, soprada como se fosse brasa, recolhida como se fosse paz. Medo de ser destruída, aniquilada, devastada e não reclamar da beleza das ruínas. Medo de ser antecipada e ficar sem ter o que dizer. Medo de não ser interessante o suficiente para prender sua atenção. Medo da independência dele, de sua algazarra, de sua facilidade em fazer amigas. Medo de que ele não precise de você. Medo de ser uma brincadeira dele quando fala sério ou que banque o sério quando faz uma brincadeira. Medo do cheiro dos travesseiros. Medo do cheiro das roupas. Medo do cheiro nos cabelos. Medo de não respirar sem recuar. Medo de que o medo de entrar no medo seja maior do que o medo de sair do medo. Medo de não ser convincente na cama, persuasiva no silêncio, carente no fôlego. Medo de que a alegria seja apreensão, de que o contentamento seja ansiedade. Medo de não soltar as pernas das pernas dele. Medo de soltar as pernas das pernas dele. Medo de convidá-lo a entrar, medo de deixá-lo ir. Medo da vergonha que vem junto da sinceridade. Medo da perfeição que não interessa. Medo de machucar, ferir, agredir para não ser machucada, ferida, agredida. Medo de estragar a felicidade por não merecê-la. Medo de não mastigar a felicidade por respeito. Medo de passar pela felicidade sem reconhecê-la. Medo do cansaço de parecer inteligente quando não há o que opinar. Medo de interromper o que recém iniciou, de começar o que terminou. Medo de faltar as aulas e mentir como foram. Medo do aniversário sem ele por perto, dos bares e das baladas sem ele por perto, do convívio sem alguém para se mostrar. Medo de enlouquecer sozinha. Não há nada mais triste do que enlouquecer sozinha. Você tem medo de já estar apaixonada.”

— Fabrício Carpinejar.
A final do que você tem medo ?

?

Faça uma lista de grandes amigos,
quem você mais via há dez anos atrás…
Quantos você ainda vê todo dia ?
Quantos você já não encontra mais?
Faça uma lista dos sonhos que tinha…
Quantos você desistiu de sonhar?
Quantos amores jurados pra sempre…
Quantos você conseguiu preservar?
Onde você ainda se reconhece,
na foto passada ou no espelho de agora?
Hoje é do jeito que achou que seria?
Quantos amigos você jogou fora…
Quantos mistérios que você sondava,
quantos você conseguiu entender?
Quantos defeitos sanados com o tempo,
era o melhor que havia em você?
Quantas mentiras você condenava,
quantas você teve que cometer ?
Quantas canções que você não cantava,
hoje assobia pra sobreviver …
Quantos segredos que você guardava,
hoje são bobos ninguém quer saber …
Quantas pessoas que você amava,
hoje acredita que amam você?

Eu poderia ficar acordado só para ouvir você respirando: Meu corpo estava queimando, apenas arranquei de meu corpo as minhas vestes: meu casaco, minha calça e minha blusa. E me encolhi, o vento gelado batera em meu corpo com força. Mas já era tarde demais para pegar meu casaco agora jogado ao chão.Senti seu corpo mover-se ao meu lado, na cama. Foi até mim, a pequena luz que eu tinha em mãos me mostrou os traços belos e atraentes de seu rosto – incomparável e encantador. Seu corpo era maravilhoso.Ela apoiou-se com os braços na cama, ficando acima de meu rosto. Nossos olhares se fixaram por um momento. Ela contornou sua mão quente pelo meu corpo agora gelado, escorregando em linhas. Ela girava as unhas levemente subindo e descendo em círculos na minha barriga e sorria ao ver meu corpo arrepiar-se. Ela direcionou seu rosto ao meu, fitou-me.Ela caiu ao meu lado na cama, virei para ela, tirei seu cabelo dos olhos: esses eram castanhos, atraentes, cativantes e sedutores. Eu continuava a fitá-la;
Pensei… - Eu te amo!
E não disse as palavras, elas estavam pesando sobre mim, sufocando minha voz. Eu parecia confiante. Os dedos de minha mão direita se fecharam em seu cabelo, minha mão esquerda segurou seu rosto na divisão de sua bochecha e seu pescoço – sua face logo ficou corada e ela abaixou o rosto – levantei o rosto dela com a mão esquerda e suas mãos afagaram meu rosto. Desci meu rosto em direção aos seus lábios. Consegui tocá-los – não acordei ainda, pensei – sorri para mim, interrompendo-a, ela suspirou. Seu hálito doce – frio, delicado e delicioso banhou meu rosto. Eu a puxei de volta contra meu corpo, sentia seu coração bater com força e a beijei novamente.Ela enterrou sua cabeça em meu ombro, ela estava perfeitamente aconchegante, desci meu braço escorregando-o sobre o dela, envolvendo-a. Encostei minha cabeça na sua e fez-se silêncio. Desta vez o silêncio foi mais prolongado. Tinha uma certeza naquele momento, ela estava protegida, e estaria enquanto eu estivesse ali. Fechei meus olhos enquanto torcia para não acordar ainda, claro, se eu estivesse mesmo dormindo.Preciso saber isso agora, ela poderá me contar a verdade. Desta vez, foi um sonho novamente?

Eu poderia ficar acordado só para ouvir você respirando: Meu corpo estava queimando, apenas arranquei de meu corpo as minhas vestes: meu casaco, minha calça e minha blusa. E me encolhi, o vento gelado batera em meu corpo com força. Mas já era tarde demais para pegar meu casaco agora jogado ao chão.
Senti seu corpo mover-se ao meu lado, na cama. Foi até mim, a pequena luz que eu tinha em mãos me mostrou os traços belos e atraentes de seu rosto – incomparável e encantador. Seu corpo era maravilhoso.
Ela apoiou-se com os braços na cama, ficando acima de meu rosto. Nossos olhares se fixaram por um momento. Ela contornou sua mão quente pelo meu corpo agora gelado, escorregando em linhas. Ela girava as unhas levemente subindo e descendo em círculos na minha barriga e sorria ao ver meu corpo arrepiar-se. Ela direcionou seu rosto ao meu, fitou-me.
Ela caiu ao meu lado na cama, virei para ela, tirei seu cabelo dos olhos: esses eram castanhos, atraentes, cativantes e sedutores. Eu continuava a fitá-la;

Pensei… - Eu te amo!

E não disse as palavras, elas estavam pesando sobre mim, sufocando minha voz. Eu parecia confiante. Os dedos de minha mão direita se fecharam em seu cabelo, minha mão esquerda segurou seu rosto na divisão de sua bochecha e seu pescoço – sua face logo ficou corada e ela abaixou o rosto – levantei o rosto dela com a mão esquerda e suas mãos afagaram meu rosto. Desci meu rosto em direção aos seus lábios. Consegui tocá-los – não acordei ainda, pensei – sorri para mim, interrompendo-a, ela suspirou. Seu hálito doce – frio, delicado e delicioso banhou meu rosto. Eu a puxei de volta contra meu corpo, sentia seu coração bater com força e a beijei novamente.
Ela enterrou sua cabeça em meu ombro, ela estava perfeitamente aconchegante, desci meu braço escorregando-o sobre o dela, envolvendo-a. Encostei minha cabeça na sua e fez-se silêncio. Desta vez o silêncio foi mais prolongado. Tinha uma certeza naquele momento, ela estava protegida, e estaria enquanto eu estivesse ali. Fechei meus olhos enquanto torcia para não acordar ainda, claro, se eu estivesse mesmo dormindo.
Preciso saber isso agora, ela poderá me contar a verdade. Desta vez, foi um sonho novamente?

Tudo começa com uma escolha.
D.Mattos

Tudo começa com uma escolha.

D.Mattos

Você fala como se soubesse tudo o que eu quero. Você acha que sabe, não acha? Só que, no momento, aposto que nem se deu conta, tudo que eu quero é você.
D.Mattos

Você fala como se soubesse tudo o que eu quero. Você acha que sabe, não acha? Só que, no momento, aposto que nem se deu conta, tudo que eu quero é você.

D.Mattos

Eu disse que nunca mais deixaria alguém entra em meu coração novamente, mais não e que ela achou uma breja entre as pedras e gelos.
D.Mattos

Eu disse que nunca mais deixaria alguém entra em meu coração novamente, mais não e que ela achou uma breja entre as pedras e gelos.

D.Mattos